segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

"Meme" Literário

"Meme" recebido da Andréia.

1. Livro/Autor(a) que marcou sua infância:

Putz, vale gibi? Eu não me lembro de nenhum livro em especial na infância. Seria "cool" dizer que eu li o Monteiro Lobato, mas não li. O que eu lia muito nessa época era a turma da Mônica. Gibis da Mônica, Cascão, Cebolinha, "Almanacão" de Férias... Também lia, mas um pouco menos, gibis Disney. O Zé Carioca era bem legal. E gostava de historinhas do Recruta Zero, mas quase nunca tinha nas bancas. Então, se eu tenho que dizer um autor, que seja o Maurício de Souza. Se tem que ser um autor "mais sério", eu diria o Ziraldo. Eu me lembro de ler algumas coisas dele, tipo "O Menino Maluquinho", o Saci Pererê, ... mas isso também é meio gibi. Acho que a melhor literatura infantil é gibi mesmo.

2. Livro/Autor(a) que marcou sua adolescência:

Nessa época eu lia gibis "adultos". Muito Batman, Homem-Aranha, X-Men, Graphic Novels e qualquer super-herói que aparecesse. E também revistinhas cômicas como "Mad", "Geraldão" e o melhor de todos: "Groo, O Errante". Eu tinha uma coleção de gibis respeitável, mas que hoje em dia deve estar sendo comida pelas traças lá no Cassino. Tá, mas nessa época eu comecei a ler livros "de verdade" também. Li muita coisa da série Vagalume. Meu preferido era o Marcos Rey. Tinha histórias de mistério como "Um Cadáver Ouve Rádio", ou "O Mistério do 5 Estrelas". Ambas muito legais. Me lembro que o protagonista se chamava "Leo". Outro livro legal do Marcos Rey era "Garra de Campeão", sobre motocross, vencer desafios, etc.

3. Autor(a) que mais admira:

É difícil falar em autores, pois dificilmente eu leio mais que dois ou três livros de um mesmo autor, de forma que não posso julgar toda a obra dos caras. Mas um que é exceção, pois li muita coisa dele é o Luís Fernando Veríssimo. Genial. Escreve com uma simplicidade, como quem bate um papo. É capaz de falar sobre passar manteiga no pão e outras coisas mais cotidianas que o próprio cotidiano. E é sempre muito divertido. Ed Mort, O Analista de Bagé, Comédias da Vida Privada, ...

Também gosto do que eu li de Oscar Wilde, de Nietzsche, do Freud, do Carl Sagan, do Noam Chomsky, ...

4. Autor(a) contemporâneo:

Bom, o Veríssimo e o Chomsky ainda são contemporâneos. Mas aproveito o espaço pra citar outros caras, de novo com a ressalva de que os cito por causa de um ou dois livros que li de cada. Cito então Irvine Welsh, Rubem Fonseca, Khaled Hosseini, Fabio Volo, Drauzio Varella e por aí vai.

5. Leu e não gostou:

Neve, de Orham Pamuk, Nobel de literatura esse ano ou ano passado. Não que seja ruim, mas achei meio chato, muito parado.

6. Lê e relê:

O Mundo Assombrado Pelos Demônios, do Carl Sagan. É a minha Bíblia.

7. Manias:

Quando começo a ler um livro, posto-o no meu goodreads. Se o livro não está cadastrado no site, me presto a cadastrar o livro, autor, ISBN e a fazer download da "capinha" de algum outro site. Assim que acabo de ler um livro, posto que acabei de ler no goodreads e guardo-o na minha estante. Se o livro for muito bom, escrevo sobre ele aqui no blog na seção "Livro da Vez". Clicando ali na sidebar dá pra acessar todos os "livros da vez" sobre os quais já escrevi.

8. Quero ler em 2009:

So many books, so little time. Tem uma lista de coisas que quero ler aqui. Qualquer um desses que eu tiver a oportunidade de ler, em 2009 ou depois, o farei.

A pior parte desse negócio de "meme" é passar adiante. Alguém quer encarar? Fonseca? Aninha? Freakie? Hugo? Débora? Se abracem!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Boas Festas!

Boas festas e um grande 2009 para todos os familiares, amigos e leitores. Tudo de bom! A imagem é uma reprodução do quadro "Le Moulin de la Galette" de Pierre-Auguste Renoir (clique na imagem para ampliar).

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Homenagem do Miríade

A Andréia é uma guria muito simpática lá de Rio Grande, minha cidade, que eu conheci pela Internet. Aliás, ultimamente eu conheço pessoas da minha cidade pela Internet. Irônico. Bom, ela é tão simpática que resolveu homenagear este humilde blog com um selo de qualidade do Blog dela. Aliás o Miríade é um blog muito legal que eu leio sempre. E ela ainda tem um segundo blog que se chama "Solstícios", onde escreve textos mais literários e de grande qualidade, na minha opinião. Ela escreveu sobre o significado desse selo aqui. Coloco o selo nesse post e na "sidebar", onde ele vai ficar para a posteridade.

Obrigado mesmo Andréia. Muito legal receber uma homenagem assim, seja lá o que for que tu viste de interessante neste blog aqui ;). Grande beijo!

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Móveis Coloniais de Acaju

Não, não é um post sobre móveis. Móveis Coloniais de Acaju é uma banda. Recebi uns dias atrás uma indicação para ouvir os caras, mas só tive tempo de fazê-lo ontem. E que grata surpresa! Um indicativo de que uma banda é realmente boa é quando, na primeira vez que se ouve, já se gosta. Foi assim pra mim. É muito bom descobrir de vez em quando que ainda existem bandas novas e boas surgindo. Eu comecei a ouvir e pensava comigo: "hm, lembra um pouco Los Hermanos". Pouco depois: "mas não, parece mais um ska", em seguida: "bah, é um rock maneiro!", e depois: "opa, um sambinha de qualidade" ... "mas que nada, é um baita de um blues". Na verdade é uma mistura de tudo isso. E não é nada disso. É uma banda extremamente criativa e musicalmente muito competente. Parece que o baixo poderoso entra na hora certa. Os metais, a guitarra, a batera. Tudo muito bem executado. Uma brisa refrescante no deserto da música moderna. Recomendo muito. As letras também, são bem feitinhas e têm algo a dizer. Confira um exemplo:

Swing Hum e Meio

Embora dá para não perceber
Alguém deve estar rindo de você
Motivo talvez nem exista
Então por favor não insista

Use a imagem como documento
Não esqueça de esquecer seu talento
Aborte todo e qualquer lirismo
Para não cair em ostracismo

Seja maduro apague a ilusão
De que quem tem caráter tem tudo na mão
E se é para sair bem na fotografia
Venda a sua mãe mas não perca a simpatia

Não é difícil de comparar
O meu cérebro com a castanha do Pará
Não é difícil de comparar
O nosso cérebro com a castanha do Pará

A bem da verdade é mais fácil aceitar
O mundo assim do que só contestar
A vida é um processo de atuação
Se você quer ser alguém, se destacar da multidão

Abaixa a cabeça para obter atenção
Encolha o rabo e terá admiração
Se quiser ser ouvido é bom ficar calado
E que tudo fique no mesmo estado

Hipocrisia não é mais cinismo
Eu chamo de multilateralismo
Um afago para cá uma cusparada pra lá
E assim o país inteiro vai te amar

Não é difícil de comparar
O meu cérebro com a castanha do Pará
Não é difícil de comparar
O nosso cérebro com a castanha do Pará

----

E pra ti, meu caro leitor, como presente de Natal antecipado, coloco esse link para baixar legal e gratuitamente algumas músicas da banda no site da Trama (aliás, a imagem que abre esse post também é do mesmo site). Bom divertimento!

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Mega Nevasca

Ontem nevou o dia todo. Quando saí do escritório, tinha "dunas" de neve na porta do prédio. Acho que nem quando eu morava na Suiça eu vi tanta neve assim em um cenário urbano. Como eu não fui no centro ontem e já enchi o saco de tirar fotos do meu caminho cotidiano, sugiro o post da minha colega Tita, que tem umas fotos legais do centro de Trento ontem.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

O Final de "A Caverna do Dragão"

Pois é, "A Caverna do Dragão", ou "Dungeons & Dragons" no título original era um desenho animado que provavelmente todo mundo que foi criança nos anos 80 conhece. Eram esses carinhas aí da imagem, um grupo de guris, presos em um mundo mágico cheio de dragões, monstros voadores, magos malvados e outros perigos de fantasia medieval. Existia na época um boato de que a série tinha um fim, onde esses guris conseguiam voltar pra Terra. Onde o vilão "Vingador" mostraria ser na verdade "do bem" e o simpático e enigmático "Mestre dos Magos" mostraria ser na verdade "do mal". Bom, o fato é que tal final nunca chegou a ser produzido por falta de grana. E todas as vezes que eu assisti o desenho achando que poderia ser o episódio final foram em vão. Mas um script do episódio chegou a ser escrito, e pode ser encontrado aqui. O link é para uma página de um dos autores da série, que fala um pouco sobre as lendas do episódio final. E lá no fim do texto tem um link para um pdf com o script do tal episódio que nunca foi finalizado. Quem gostava do desenho e for "nerd" o bastante para ler 44 páginas de script em inglês pode acessar o link e conhecer o final da história. Bom divertimento.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

SOS Santa Catarina

The Dark Side of Snow

Tá, eu sei que tá ficando chato esse blog falar só de neve, mas é o que tem acontecido por aqui, fazer o que? Hoje, pela primeira vez a neve me prejudicou em alguma coisa. Acontece que ontem a noite e hoje choveu. Com chuva, a neve fica molhada. Neve molhada pesa mais que neve seca. Com a neve pesada, caem árvores que tenham muita neve em cima. Uma destas árvores caiu na linha do meu trem, e por isso meu trem não saiu e, até aparecer um ônibus para o substituir, lá se foi minha aula de francês. E o tal ônibus não pára perto de onde eu trabalho, como o trem pára. Então tive que ir até o centro e esperar um segundo ônibus. Tal segundo ônibus demorou uma vida para chegar. E chegou tão lotado que não foi possível abrir a porta para a galera que estava esperando entrar (pensam que só no Brasil que o "busão" vem lotado?). Tive então que esperar mais uma vida por um terceiro ônibus. Ou seja, esperei "duas vidas" num baita frio de ranguear cusco, observando bolas de neve caindo das árvores em cima dos transeuntes, pelo tal ônibus. É, perdi umas duas ou três horas em transporte e passei um baita frio hoje. A neve pode ser inconveniente. Mas ainda acho legal. Ainda acho bonito. Quem sabe até o fim do inverno eu me irrito com ela.

E que gol "trouxa" aquele do São Paulo contra o Fluminense hein? O São Paulo merecia ter perdido. Sou colorado, mas preferia que desse Grêmio do que São Paulo pela terceira vez consecutiva. Mas ficou difícil pro Grêmio. Veremos...

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Ainda a Neve...

Filmei um trecho da minha viagem de trem de Pergine a Povo (Trento) esta manhã. A guriazinha de vermelho não estava lá...

video

Paulo Sant'Ana

Está no blog do Paulo Sant'Ana:

"Se o Tite vir a treinar o Grêmio, juro que deixo de ser gremista."

Eu duvido que o Tite não volte a treinar o Grêmio. E duvido que o Paulo Sant'Ana deixe de ser gremista por isso. Forçou a barra...

Aqui está o post dele dizendo isso.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Branco!

Talvez eu já devesse estar acostumado. Mas como bom brasileiro é impossível, para mim, acordar e ver tudo branco sem sorrir e balbuciar para mim mesmo um "que afude!". Neve. Muita neve. Nevasca. E na hora que acordei, cerca de 6:40, ao nascer do sol, o céu estava vermelho. A cidade coberta de neve e o céu vermelho! Uma paisagem colorada. Surreal. Pena que havia deixado a máquina fotográfica aqui no escritório. E depois, caminhar pelas ruas sentindo e ouvindo a neve debaixo da botina. Muito bom. Muito legal. Enquanto alguns italianos passavam de mal humor, de guarda-chuva ou sacudindo a neve dos casacos, me dava vontade de sorrir. De passar por louco e cantar a mp3 dos Beatles que tocava nos meus fones:

You think you've lost your love
Well, I saw her yesterdayey
It's you she's thinking of
And she told me what to sayey


Um carro que acelerou um pouco demais, nada exagerado, em primeira marcha mesmo, deslisava com as quatro rodas travadas pela rua. Perigos da neve. A estação de trem lotada de pessoas que provavelmente ficaram com medo de deslizar com seus carros desse jeito ou com preguiça de tirar a neve da frente de suas garagens: "É aqui que pego o trem para Trento?" "Onde se compra o bilhete?" Dentro do trem, a paisagem que vejo diariamente passou de verde, amarelo de outono e rochas, para branco. Tudo branco. O que não é branco, como o tronco das árvores e a parte de baixo das rochas, fica preto pelo contraste. Paisagem em branco e preto. Não sei porque imagino uma guriazinha de vestido vermelho, como no filme "A Lista de Schindler" passeando por ali. Obviamente guriazinhas de vestido vermelho não caminham pela floresta durante nevascas, mas a imaginação é livre. Chego no curso de francês e o assunto não poderia ser outro: la neige! Bonita palavra. Aliás são bonitas as palavras francesas. La neige est belle. La vie est tres belle!

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

EWSN'09

Acabo de ficar sabendo que um artigo meu foi aceito para a EWSN'09 (European Conference on Wireless Sensor Networks). O evento este ano vai ser na cidade de Cork, na Irlanda de 11 a 13 de fevereiro. Aí acho que vou poder visitar a Tati, ou de repente ela vai até Cork me encontrar. Quem sabe... Fiquei bastante feliz, pois este é o maior evento da Europa na minha área, um indicativo de que o trabalho foi bem feito. Bola pra frente e rumo a Cork!

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Devil Sheep

Quem não gosta de coisas trash nem assista o vídeo. Assista por sua conta e risco. Eu não tenho a menor idéia do porquê, mas achei o vídeo engraçado ao extremo.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Massa

Que bela corrida de Formula 1 ontem em Interlagos. O campeonato mundial foi decidido literalmente na última curva. No último quilômetro. Massa precisava vencer e torcer para que Hamilton, com sete pontos a mais antes da corrida, chegasse em sexto ou pior para ficar com o título. Massa fez uma grande corrida, vencendo de ponta a ponta e cumprindo sua parte. Com umas sete voltas para o fim da corrida, Hamilton vinha tranqüilo, em quarto lugar, com apenas Vettel com alguma chance de alcançá-lo, o que não era problema, já que a quinta posição servia para o britânico. Eis que nesta hora, faltando umas cinco voltas, começa a chover em São Paulo. Todos os carros fazem o pit stop para colocar pneus de chuva, com exceção das Toyotas. Uma delas, a de Timo Glock ultrapassa Hamilton durante a parada, deixando o piloto da McLaren em quinto. Na penúltima volta, ou talvez no início da última, Vettel consegue finalmente a ultrapassagem sobre Hamilton. Tendo sido superado por Glock e Vettel, Hamilton estava ficando em sexto lugar e vendo o título ir embora pela segunda vez consecutiva. Mas para sua sorte, e azar do brasileiro Massa, a chuva apertou naquela última volta, deixando a Toyota de Glock, ainda com pneus para pista seca, muito lenta. Lenta o bastante para que Vettel e Hamilton a superassem na última curva. Hamilton cruzava a linha de chegada em quinto lugar e ficava com o título mundial de pilotos.

A Ferrari fica com o título de construtores. Devo dizer que me parece um pouco injusto e que talvez mais justo fosse o contrário. Explico. Massa perdeu pelo menos 20 pontos, duas vitórias praticamente certas, por problemas mecânicos ou da equipe. 10 na Hungria, quando fundiu o motor Ferrari; e 10 em Cingapura, quando um mecânico lhe deu luz verde para sair do pit stop com a mangueira de combustível ainda engatada no carro. Hamilton, que eu me lembre não perdeu nenhum ponto sequer por problemas no carro ou erros da equipe (se alguém sabe de uma situação assim que eu não tenha lembrado, avise nos comentários). Ainda assim terminou o campeonato apenas um mísero ponto a frente do brasileiro. Ora, isso demonstra que o piloto Hamilton, perdeu 19 pontos a mais que massa por erros dos próprios pilotos. 19 estes que foram compensados pelos 20 perdidos pelos problemas do construtor Ferrari. Ainda assim, Hamilton fica com o título de pilotos e a Ferrari com o de construtores. Tudo bem. É o tal de Kovaleinen da McLaren que é muito ruim mesmo. Foi boa a sensação de ver um brasileiro quase campeão da F1 de novo. 17 anos depois do último título do Senna, em 91. Quem sabe ano que vem passamos do "quase". O Massa está fazendo um grande trabalho. Disso não há dúvidas.

Quem não está fazendo um grande trabalho é o Internacional, no Brasileirão. Com um dos times mais caros do campeonato, ocupa um modesto nono lugar. Lamentável. Só ganhando a Copa Sulamericana pra salvar o ano. Veremos quinta-feira. Jogão contra o Boca na Bonbonera.

Minha irmã Tati continua com a retrospectiva de algumas viagens que fizemos juntos. Dessa vez ela fala sobre nossa visita à Atenas, cidade belíssima. Confere lá!

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié! - Pato Fu

As pessoas têm que acreditar
Em forças invisíveis pra fazer o bem
Tudo que se vê não é o suficiente
E a gente sempre invoca o nome de alguém

Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié!
Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié!
Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié!
Ié Ié!

Acho muito caro que ele tá pedindo
Pra eu ter muito mais sorte menos azar
Acho muito pouco o que tenho no bolso
Pra ver o sol nascer não tem pagar

Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié!
Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié!
Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié!
Ié Ié!

É certo que milagre pode até existir
Mas você não vai querer usar
Toda cura para todo o mal
Está no Hipoglós, no Merthiolate, Sonrisal
Quem tem a paz como meta
Quem quer um pouco de paz
Que tire o reboque que espeta
O carro de quem vem atrás

É certo que milagre pode até existir
Mas você não vai querer usar
Toda cura para todo o mal
Está no Hipoglós, no Merthiolate, Sonrisal
Quem tem a paz como meta
Quem quer um pouco de paz
Que tire o reboque que espeta
O carro de quem vem atrás

Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié!
Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié!
Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié!
Ié Ié!

-----

O Pato Fu é uma das melhores bandas em plena atividade no Brasil. Se não for a melhor.

Aniver do Cu e do Surafel

Uns dias atrás, estávamos na fila da "mensa" (uma espécie de RU daqui) e o Surafel comentou que gostava de festejar o aniversário dele na Etiópia, pois todos os amigos dele iam de terno e comiam pizza. Na mesma hora eu perguntei aos outros caras que estavam junto na fila se tinham ternos. Ao ouvir as respostas afirmativas, ficou definido ali mesmo que o aniversário do Surafel seria em estilo etíope, uma pizza formal. E foi. Todo mundo de terno, bonitinho. Foi divertido. É bom variar de vez em quando. Também gostei muito de experimentar "nem", uns rolinhos vietnamitas de carne e verduras preparados pela esposa do Cu.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Bondone

Sábado fui subir o monte Bondone, a montanha mais famosa aqui da região, em uma excursão da Universidade. Estava muito legal, como sempre são esses passeios em contato com a natureza. Uma pena o dia estar com muita neblina, mas mesmo assim curtimos bastante. É realmente um lugar muito bonito, e valeria a pena até voltar lá em um dia de sol. Também foi muito legal por eu ter conhecido uma galera muito gente fina, de vários lugares, inclusive vários brasileiros que eu ainda não havia encontrado por aqui. A Universidade nos forneceu toda a estrutura, com guias, água mineral, chocolates, balas (açúcar é energia para subir montanhas), e na volta um belo picadinho de carne com polenta e feijão. Foi um belo sábado. Mais fotos no meu Orkut ou Facebook.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Escola Militar

Estava conversando ontem com amigos sobre escolas militares freqüentadas por parentes e amigos deles no Brasil. É meio cruel com os recrutas, mas algumas histórias são bem engraçadas, no estilo Tropa de Elite.

---

O recruta, já atrasado para chegar ao quartel, pede ao motorista do ônibus que pare em frente ao quartel, já que o ponto de ônibus ficava uns três quarteirões mais longe. O motorista, gentilmente atende o pedido. Um sargento, na entrada do quartel chama o recruta, que já ia entrando apressadamente no prédio.

- Oh soldado! Volta aqui!
- Sim Sr!
- O Sr está vendo alguma placa indicando ponto de ônibus aqui na frente do quartel, soldado?
- Não Sr.
- Então o Sr vá, marchando, até lá embaixo no ponto de ônibus, soldado, e volte, marchando!
- Sim Sr.

Após fazer o ingrato percurso de ida e volta marchando e, "pagar 10" para o sargento, o recruta finalmente pôde entrar no quartel. Muito provavelmente para "pagar" mais lá dentro, pelo atraso.

---

Outra vez, os alunos perderam a chave de um depósito. Tiveram que providenciar uma nova cópia da tal chave. Mas os oficiais deram um jeito de garantir que a nova chave não seria perdida. Amarraram a chave em um pneu de trator, e sempre que algum recruta precisava abrir o tal depósito tinha que levar rolando o "chaveirinho" e trazer de volta. Parece que nunca mais perderam a chave...

---

Quatro recrutas tinham ordens para carregar um tronco grosso de madeira pesadíssimo por uma distância absurda, provavelmente por nenhum motivo razoável. Um dos soldados não estava aguentando e falou aos companheiros:

- Cara, não tô aguentando. Eu vou largar, eu vou largar...
- Fala baixo rapaz.
- Cara, não tô aguentando, não dá mais.
- Fica firme aí Fulano, Jesus tá com a gente.
Nisso o Sargento entra no assunto:
- Quem é que tá aí com os Srs soldado?
- Jesus, Sr.
- Ah, o Jesus tá aí? Mas eu falei que era pra 4 carregarem o tronco, não 5. Pode sair um dos Srs. Sai e entra no próximo grupo.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Garota de Ipanema - Tom e Vinicius

Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça
É ela a menina que vem e que passa
Num doce balanço, caminho do mar

Moça do corpo dourado, do sol de Ipanema
O seu balançado é mais que um poema
É a coisa mais linda que eu já vi passar

Ah, por que estou tão sozinho?
Ah, por que tudo é tão triste?
Ah, a beleza que existe
A beleza que não é só minha
Que também passa sozinha

Ah, se ela soubesse que quando ela passa
O mundo inteirinho se enche de graça
E fica mais lindo por causa do amor

Festa della Zucca

"Festa della zucca" quer dizer "festa da abóbora". Foi o que teve ontem em Pergine. Eu nem gosto muito de abóbora, mas fui lá conferir. A festa foi em um parque, e estava muito lotado. Pergine é uma cidade pequena e tranqüila. Eu não sei de onde sai tanta gente quando tem algum evento desse tipo. Se uma "festa da abóbora" lota, me parece bem viável fazer eventos turísticos sobre absolutamente qualquer coisa por aqui. Bom, como não sou muito de abóbora comi uma espécie de fritada de maçã. Fatias de maçã fritas. Não era lá essas coisas, mas tudo bem. Depois vi o "show" de um guri que cantava uma versão em italiano de "Johnny B. Goode" com uma peruca estilizada meio black power. Um outro guri com uma peruca semelhante fingia que tocava uma guitarra de madeira e uma guriazinha de uns 7, 8 anos fingia que tocava um xilofone. O mais divertido foi quando mandaram os guris pararem de tocar, pois iria começar um outro show. O guri se indignou e jogou a peruca no chão. Tem tudo para fazer carreira no rock'n roll. O tal show que cortou o barato dos guris era de músicas e danças medievais. Ouvi música francesa, fandangos catalães e bascos entre outras músicas antigas de toda a Europa tocadas com instrumentos medievais estranhos. A platéia sentava-se em bancos de feno. O palco também era decorado com feno e abóboras. Confesso que o laranja das abóboras ficou bonito no cenário verde das montanhas em um dia ensolarado. Não gosto muito de comer abóboras, mas como peças de decoração são bonitas. Aliás a festa toda era decorada em tons de laranja e verde. Um efeito bonito mesmo. Pena que pra variar eu nunca ando com máquina fotográfica. De qualquer forma fica registrado aqui nesse post a "festa della zucca". Ah, já ia esquecendo a atração principal da festa. No fim do dia, jurados especialistas escolheram entre várias candidatas a "zucca delle zucche", ou seja, a "abóbora das abóboras". Parece piada. Os critérios da escolha são tamanho, cor, forma e originalidade. Tá, chega de abobrinha por hoje.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Curtas

Como muitas das pessoas que visitam este blog se interessam pela minha vida, gostaria de recomendar os posts "Retrospectiva" e "Retrospectiva (2a. Parte)" no blog da minha irmã, pois ela fala de viagens das quais eu também participei nestes posts, que estão muito bem escritos e detalhados.

---

Que diabos, toda vez que eu faço um post elogiando o time do Inter, ele perde no próximo jogo. Seria este blog pé-frio? Acho que só volto a falar de futebol no fim do campeonato...

---

Ultimamente li "1984", de George Orwell e "O Retrato de Dorian Gray", de Oscar Wilde. Ambos muito bons. Seriam dignos de ser "livros da vez". Não os coloquei como tal porque falar sobre clássicos é "chover no molhado" e porque o tempo anda curto, mas são os livros que eu li recentemente e ambos muito bons. Recomendo.

---

Não consegui ir na Oktoberfest porque a maldita excursão estava lotada...

---

Comecei hoje um curso de francês no CIAL. Meu medo era que, como estou no nível mais básico possível, o curso estivesse lotado de estrangeiros que não sabem nem dizer "bonjour" e que atrasariam muito o nível do curso. Mas não. O curso só tem italianos. Aliás, muito mais italianas que italianos :-). Acho que só eu de "estrangeiro". A própria professora falou que o italiano e o francês são idiomas "primos", e portanto acho que o curso vai ser de um bom nível e possibilitar um bom aprendizado. Veremos. Allez le Bleus!

---

Começo quinta-feira um curso de "danças caribenhas" lá em Pergine. Salsa, merengue e afins. Eu nunca fui um grande dançarino de coisa nenhuma, mas vou encarar essa e ver se aprendo a "ballare" um pouco.

---

Segue a família Branco na prefeitura da minha Rio Grande. Se não me engano pelo quarto mandato consecutivo.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

1,2,3,4!



Sinceramente, eu não gosto dessa musiquinha, mas era o único compacto decente do jogo que tinha no youTube, até agora. E 4x1 no Grêmio não pode ficar sem um compacto aqui no blog. Que grande vitória! Quem sabe o time se motive agora. "Vamo tchê"!

E o Massa... Com grandes chances de ganhar a corrida me arranca com a mangueira de combustível presa no carro. Tá, foi culpa do cara que acendeu a luz verde. Sacanagem ver uma grande corrida perdida dessa forma.

Mas ainda dá pros vermelhos. Ainda dá pro Inter e ainda dá pra Ferrari do Massa. Tá. Eu sou otimista sempre mesmo. Enquanto há esperança eu acredito!

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Maldita Gripe

O verão já se mandou daqui. Já deve estar a caminho do Brasil. E, pra começar bem o outono. já caiu bastante a temperatura e fui premiado com uma bela gripe. Vou acabar com o estoque de papel higiênico do IRST. Mas tudo bem. "Life goes on."

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Mídia Brasileira

Só para descontrair, reproduzo aqui um texto que li no Orkut e que já saiu em vários outros blogs (portanto não sei quem o publicou originalmente). Trata-se do caso da:

Chapeuzinho Vermelho Pela Mídia Brasileira

JORNAL NACIONAL
(William Bonner): ‘Boa noite. Uma menina chegou a ser devorada por lobo na noite de ontem…’.
(Fátima Bernardes): ‘… mas a atuação de um caçador evitou uma tragédia’.

PROGRAMA DA HEBE
(Hebe Camargo): ‘… que gracinha gente. Vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo?’

BRASIL URGENTE
(Datena): ‘… onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades? ! A menina ia para a casa da vovozinha a pé! Não tem transporte público! Não tem transporte público!
E foi devorada viva… Um lobo, um lobo safado. Põe na tela!! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de lobo, não.’

REVISTA VEJA
Lula sabia das intenções do lobo.

REVISTA CLÁUDIA
Como chegar à casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho.

REVISTA NOVA
Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama.

FOLHA DE S. PAULO
Legenda da foto: ‘Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador’.
Na matéria, box com um zoólogo explicando os hábitos dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.

O ESTADO DE S. PAULO
Lobo que devorou Chapeuzinho seria filiado ao PT.

O GLOBO
Petrobrás apóia ONG do lenhador ligado ao PT que matou um lobo pra salvar menor de idade carente.

ZERO HORA
Avó de Chapeuzinho nasceu no RS.

AGORA (o de SP, não o de Rio Grande)
Sangue e tragédia na casa da vovó

REVISTA CARAS
(Ensaio fotográfico com Chapeuzinho na semana seguinte)
Na banheira de hidromassagem, Chapeuzinho fala a CARAS: ‘Até ser devorada,eu não dava valor para muitas coisas da vida. Hoje sou outra pessoa’

PLAYBOY
(Ensaio fotográfico no mês seguinte)
Veja o que só o lobo viu.

REVISTA ISTO É
Gravações revelam que lobo foi assessor de político influente.

G MAGAZINE
(Ensaio fotográfico com lenhador)
Lenhador mostra o machado

SUPER INTERESSANTE
Lobo mau! mito ou verdade ?

DISCOVERY CHANNEL
Vamos determinar se é possível uma pessoa ser engolida viva e sobreviver.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

De Volta

Estou de volta a Trento depois de uma semana muito boa em Rimini, na PerAda summer school. Boa semana pelos ótimos tutoriais que pude assistir. Entre os quais destaco o do professor grego Ioannis Chatzigiannakis que me agradou tanto pelo seu estilo de dar aula quanto por ter apresentado o tutorial mais diretamente relacionado à minha pesquisa atual. Boa semana por ter conhecido muita gente legal. Uma galera gente fina mesmo. Eu não imaginava que seria tão bom passar uma semana convivendo quase que 24 horas com pessoas que até então eram estranhas pra mim. Eu não conhecia absolutamente ninguém que participou, e talvez até por isso consegui me entrosar bem com praticamente todos no grupo. Méritos também para a organização do evento, que proporcionou a todos, na minha opinião, ótimas condições de trabalhar e também de socializar.

Foi uma semana corrida, com aulas de manhã e de tarde e com a realização de um trabalho em grupo que apresentamos na sexta-feira. No caso do meu grupo o objetivo era esboçar em alto nível um sistema de controle de tráfico automatizado para uma cidade e que, se o grupo conseguir escrever um bom artigo, pode vir a ser publicado.

Mesmo com essa correria, a galera organizava idas a barzinhos todas as noites, e Rimini é o lugar perfeito para isso. Uma das melhores vidas noturnas da Itália, no verão. Rolaram também duas partidas de vôlei de praia. Confesso que torci o nariz quando o futebol perdeu para o vôlei na votação para escolher o esporte. Mas acabou sendo muito legal. O jogo rolou só por diversão, e não por competição, como eu gosto. Nem o placar se marcava, só diversão mesmo. E eu que até semana passada achava que não sabia jogar volei devo dizer que não decepcionei não.

Com tantas atividades, me senti cansado durante a semana, mas era um cansaço recompensador, pois me senti produtivo em todos os sentidos. Do profissional ao pessoal. Eu acho que eu fico mais produtivo quando me divirto ao mesmo tempo em que trabalho. Com certeza estar feliz é uma grande motivação. Eu gostaria que Trento fosse um pouco mais parecida com Rimini, pelo menos nos fins de semana. Mas aqui as coisas e as pessoas são bem diferentes. É mais "cada um por si", o que eu acho lamentável, pois assim um monte de coisas legais deixam de acontecer. Bom, me resta voltar à realidade e esperar que Trento se torne um pouco mais Rimini, ou então esperar a próxima viagem.

domingo, 7 de setembro de 2008

PerAda Summer School em Rimini

Durante toda essa semana estou participando da "PerAda summer school" em Rimini. Vamos ter palestras e aulas com bons professores de vários lugares do mundo. O legal desse tipo de evento, além das aulas é conhecer vários estudantes e pesquisadores de vários lugares. Além de ser muito bom também voltar a Rimini, um dos meus lugares favoritos na Itália no verão. Passei o domingo todo tendo aulas, mesmo depois de uma noitada no Rock Island. Estou pregado, mas sabe-se lá o que vai rolar agora a noite. Tá tudo a combinar. Cansado, mas contente. Está valendo a pena. Conheci muita gente legal e a semana está só começando!

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

George Orwell - 1984 - Versione Italiana

[...] Con lei tutto finiva per essere rapportato alla sua sessualità. Non appena si toccava un argomento del genere, dimostrava comunque di possedere una notevole perspicacia. A differenza di Winston, per esempio, aveva colto perfettamente il senso del puritanesimo del Partito in campo sessuale. Non si trattava solo del fatto che l'istinto sessuale dava forma a un mondo a sé, fuori del controllo del Partito, e quindi da distruggere - almeno nei limiti del possibile. Di gran lunga più rilevante era il fatto che la repressione sessuale produceva isteria, uno stato d'animo auspicabile, perché poteva essere indirizzato verso la psicosi bellica e verso il culto del capo. Lei la metteva in questi termini:

"Quando fai l'amore, consumi energia. Dopo ti senti felice e te ne freghi di tutto il resto, e questo loro non possono permetterlo. Loro vogliono che tu stia sempre lì a scoppiare d'energia: tutte queste marce, queste grida di acclamazione, questo sventolio di bandiere, non sono altro che sesso andato a male. Se dentro di te ti senti felice, perché mai ti dovresti entusiasmare per il Grande Fratello, i Piani Triennali, i Due Minuti d'Odio e tutta quella merda?"

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Entrevista

Fui entrevistado pelo blog "Brasil na Itália" sobre cursar doutorado na Itália. Quem se interessar pode ler a entrevista aqui.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Cinema Riograndino

Apesar de estar aqui tão longe, eu fico sempre ligado no que acontece na minha cidade. Rio Grande, no Rio Grande do Sul. Fiquei sabendo a pouco, na comunidade da cidade no Orkut que uma produção riograndina foi um dos curtas vencedores do concurso "Bruxa Experimental" organizado por Paulo Coelho para selecionar curtas metragens que formarão um longa baseado no livro "A Bruxa de Portobello". Houveram cerca de 6000 concorrentes do mundo inteiro, alguns com muito mais recursos que o filme de Rio Grande, e o filme gaúcho foi um dos selecionados. Aliás foi o único curta brasileiro vencedor. Quem quiser dar uma conferida, o filme está disponível aqui. Como o curta é um capítulo do meio do livro, a compreensão fica meio prejudicada para quem não leu o livro. Mas só por ver uma produção de qualidade, cenários e atores da nossa cidade já vale a pena. E depois esperemos o longa. Parabéns ao Fernando Espíndola, diretor do filme e à toda a equipe.

Falando em cinema e em Rio Grande, aproveito para cumprimentar também os responsáveis pelo Cine Dunas, cinema do Cassino e que agora abriu também no centro. Um grande incentivo a cultura. Uma cidade como a nossa não poderia ficar sem um cinema. Sucesso ao Dunas.

sábado, 23 de agosto de 2008

O Brasil É o País do Voleibol


E do salto em distância.Parabéns gurias!

José

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama protesta,
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,

seu terno de vidro, sua incoerência,
seu ódio - e agora?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse…
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, pra onde?

Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Camping...

Dia quinze foi feriado por aqui, então eu aproveitei o feriadão e fui fazer uma das coisas que mais gosto. Acampar. Eu e mais dois amigos brasileiros nos mandamos pra cidadezinha de "Bardolino", e ficamos em um camping, na beira do lago de Garda. Local muito agradável. Muito sol, apesar de chuvas ocasionais. Principalmente a noite. O dia amanhecia nublado, fazia sol das 10 da manhã até o fim da tarde e chovia a noite. Bom, como eu vinha dizendo, muito sol, banhos de lago, remadas em caiaques, cervejas com vista para o lago e para gurias que se bronzeavam - inclusive algumas que, para nossa alegria, se esqueceram da parte de cima do biquíni -, a sempre inusitada e divertida rotina de um camping. Enfim, um fim de semana "estressante" pra caramba.

O que eu quero dizer com "inusitada e divertida rotina de um camping"? Por exemplo, tinha uma barraca onde, todas as manhãs, duas gurias alemãs muito bonitas fumavam um cachimbo maluco chamado "narguilé". O som das bolhas de fumaça daquela coisa e a beleza das gurias chamavam a atenção de absolutamente todos os homens que por ali passavam, os quais invariavelmente olhavam pra elas. Elas apenas se olhavam, sorriam e seguiam fumando. Todas as manhãs. Quase todos os campistas eram alemães. Alguns eram Holandeses. Pouquíssimos italianos. Tanto que acabamos fazendo amizade com um grupo de alemães. Fizeram eu me sentir um amador na arte de consumir cerveja. Os caras estavam em seis amigos e vieram em um furgão completamente lotado de engradados de cerveja. Acabamos nos juntando a eles numa das noites de bebedeira, e numa contabilidade rápida concluímos que eles haviam trazido cerca de um engradado de cerveja por pessoa por dia para o camping. Mesmo assim eles demonstravam preocupação com uma possível falta de cerveja. Quando estávamos tomando cerveja com esses caras, surgiu um guri gordinho de uns 17 anos, completamente embriagado, com um traje típico alemão todo embarrado. Concluímos que ele seguramente caiu de bêbado várias vezes pelo barro, talvez tenha rolado morro abaixo ou algo assim. Eu não entendo uma palavra de alemão pra saber o que ele dizia, mas tenho certeza que ele não dizia coisa com coisa. No dia seguinte encontramos esse mesmo guri, com a mesma roupa imunda, literalmente apagado, debaixo de um sol de rachar, bem na frente da barraca das gurias do "narguilé". Teriam as gurias abusado do rapaz? Que absurdo... Bom, é isso que eu quero dizer com "rotina inusitada e divertida". Foi bom dar uma curtida. Agora, de volta ao trabalho!

Livro da Vez: Life of Pi - Yann Martel

Muito bom livro esse "Life of Pi", ou "Vida de Pi" na versão brasileira. Bom pela situação insólita descrita. Bom pela filosofia por detrás da história. Bom pela originalidade. Bom por ser um texto fantástico mas ainda assim crível, descontados alguns "balões" (um "balão", é uma gíria antiga da minha cidade que significa algo "impossível", uma cena de filme em que a pessoa diz "ah, pára, isso aí só em filme mesmo..." é um "balão", ou um "baita balão"). Balões esses que quem tem fé dirá que são "milagres", mas enfim.

A situação insólita em que o livro nos coloca é a seguinte: Piscine Molitor Patel, conhecido por seus colegas de escola como "Pi" é um guri indiano de 16 anos cujo pai é proprietário de um zoológico. Pi pratica, ao mesmo tempo, três religiões: hinduísmo, catolicismo e islã e se interessa muito por animais, aprendendo muito com o pai. A família decide mudar-se para tentar uma vida melhor no Canadá e embarca em um navio da Índia para o Canadá. No mesmo navio estão sendo transportados alguns animais do zoo que foram vendidos para compradores na América. O tal navio naufraga. Como sobreviventes em um barco salva-vidas restam apenas Pi, uma zebra, uma urangotango e um tigre de Bengala. A maior parte do livro trata da sobrevivência do guri nestas condições. Como se já não fosse desesperador o bastante estar perdido no meio do oceano Pacífico, o menino ainda tem que lidar com um tigre, um animal não muito dócil.

O livro é muito bem escrito, e é verdade o que eu li em algum lugar a respeito: "em alguns momentos o livro nos faz sentir o sal da água do mar na pele". É interessante quando o livro nos faz sentir a angústia do personagem. Nos faz sentir como se estivéssemos na pele dele. Na minha opinião esse livro faz isso muito bem.

A filosofia por trás da história tem a ver com fé, religião, Deus e etc. Eu não concordo com a conclusão do livro, mas só comentaria isso em detalhes com alguém que tenha lido o livro, pois não gostaria de falar do final aqui. Mas enfim, é um excelente livro, e como todos os "livros da vez" aqui do blog eu recomendo.

Compre "Life of Pi" no






Ou na Amazon

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Somos Menos que Um Píxel

As imagens a seguir mostram o tamanho da Terra em comparação a alguns planetas e estrelas. Dá uma idéia de como somos pequenos neste universo absurdamente gigantesco. E ainda tem gente que se mata pela posse temporária de uma partezinha ínfima dessa pequena fração de píxel. Pessoas que se matam pra ter influência e poder por um instante efêmero no tempo em um ponto minúsculo do espaço. Por alguma razão eu acho mais importante um sorriso. Acho mais importante a diversão. Um beijo e um abraço. Acho mais importante o amor de verdade. Pelas pessoas e não pelas coisas. O ser antes do ter. Por alguma razão eu acho que essas coisas transcendem o nosso tamanho.


Esse post tem tudo a ver com um vídeo que eu postei esses dias. Não sei de quem são as imagens. Adoraria dar o crédito ao autor, mas achei as imagens no Orkut, sem nenhuma referência à fonte.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Pergine Medieval

Sábado passado aconteceu uma batalha medieval em Pergine Valsugana, cidadezinha onde eu moro. Foi a representação de uma batalha acontecida em 1356 entre o povo de Padova, que então controlava o castelo e o povo do Tirol, atual região da Áustria. Foi muito interessante o evento. A caracterização dos atores e o cenário do castelo estavam sensacionais. Os atores eram claramente amadores e muita coisa foi de improviso na encenação. Provavelmente o elenco era de cidadãos de Pergine e região aficionados pelo período medieval querendo dividir com a população um pouco dessa cultura. Muito interessante o evento. Eu assisti a batalha com meus novos companheiros de quarto e amigos Leonardo e Paula. O leitor pode encontrar mais fotos do evento no meu orkut, facebook ou no site do Leonardo K. Alencar, que aliás foi quem tirou todas as fotos, muito boas na minha opinião.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Churrascaria

Ontem fui a uma churrascaria em Verona com um pessoal. Para qualquer pessoa no Brasil ir a uma churrascaria é um evento banal (ok, para a minoria de brasileiros que pode almoçar fora de vez em quando é banal). Mas pra quem mora em Trento, é um evento sensacional. Carne e mais carne. Carne a vontade. Eu saí mal de lá. Comi muito. Como é bom um churrasco. Que mané cozinha francesa, italiana, indiana... Bom é um churrasco! E não só o churrasco. Vocês que moram no Brasil não tem noção de como é bom feijão preto, salada de maionese, farofa... É bom demais! E tudo isso acompanhado por uma caipirinha e Zeca Pagodinho. Valorizem essas coisas. Coisas tão simples para vocês. Tão extraordinárias para nós que estamos longe. Valorizem o Brasil!

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Alguém Entende?

Alguém entende o time do Inter? Embala pra empolgar a torcida e aí, quando todo mundo acha que vai tudo bem, quando os adversários começariam a tremer, vai lá e me perde para dois times da zona do rebaixamento na seqüência. Se alguém sabe explicar isso, pode postar aí nos comentários. A torcida colorada agradece.

Falando em entender, e as mulheres? Alguém entende as mulheres? Quem entender, por favor explique aí também. Todas as torcidas agradecem!

Acho mais fácil aparecer alguém com explicação pro time do Inter...

terça-feira, 29 de julho de 2008

Bebendo Vinho - Wander Wildner

Eu vivo sozinho e apaixonado
Não tenho ninguém
Aqui do meu lado
Meu cachorro Venus foi roubado
Fiquei um pouco preocupado

Vou me entorpecer
Bebendo vinho
Eu sigo só
No meu caminho

Vou me entorpecer
Bebendo vinho
Eu sigo só
No meu caminho

Chove prá caramba aqui no Rio
Penso no Sul
Aquele frio
A TV diz que vai fazer sol
Não sei se é bom ou é pior

Vou me entorpecer
Bebendo vinho
Eu sigo só
No meu caminho

Vou me entorpecer
Bebendo vinho
Eu sigo só
No meu caminho

A radio toca um velho Rock and Roll
Fico pensando
Aonde estou
Nada satisfaz nessa hora
Se é assim eu vou embora

Vou me entorpecer
Bebendo vinho
Eu sigo só
No meu caminho

Vou me entorpecer
Bebendo vinho
Eu sigo só
No meu caminho

Vou me entorpecer
Bebendo vinho

quinta-feira, 24 de julho de 2008

O Inter "Tá Que Tá"

Muito boa a recuperação do Internacional no campeonato brasileiro. Desta vez dois a zero em cima do São Paulo. O time está invicto a 7 jogos, vem de 5 vitórias consecutivas no Beira-Rio, e a direção continua contratando. D'Alessandro, Bolívar, Gustavo Nery e, provavelmente Daniel Carvalho são contratações de respeito. O Tite vem realizando um trabalho muito bom. A essa altura acho que a participação na libertadores em 2009, ano do centenário, é bem possível, apesar de o time estar vindo de um início de campeonato ruim, partindo de uma 17a. posição até o 6o. lugar atual. Eu diria até que a Libertadores é muito provável, salvo aconteça algum desastre. E o tal do tetra que nos roubaram em 2005 quem sabe dessa vez chegue.

É muito bom ver o Inter grande. Ver um Inter como o dos anos 70 que eu não vi, quem sabe até maior. Parabéns a direção, ao Tite, aos 80.000 sócios (que serão 100.000 no ano do centenário) e aos torcedores deste grande clube.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

A Universidade

Eu acho que nunca mostrei para os leitores do blog o lugar onde eu estudo e trabalho. Eu sempre quis postar algumas fotos do prédio, pois é bem legal, mas acontece que eu tenho uma preguiça absurda de tirar fotos e nunca me prestei a fazê-lo. Indico então a quem quiser ver como é o prédio aqui da Universidade o post da minha colega Tita, com as fotos que eu estou por tirar há quase dois anos e que ela, recém chegada, já tirou. Eu gosto que o ambiente é bem iluminado e todo "branquinho". Também é legal que temos escadas rolantes. Eu nunca tinha visto escada rolante em Universidade antes de chegar aqui. Uma coisa ruim é que as janelas, "supermodernas", abrem e fecham automaticamente para propiciar a "melhor iluminação possível", ou coisa que o valha. Mas se a pessoa quer abrir a janela pra ver a paisagem ou fechá-la pra ficar em um ambiente escuro não consegue. as janelas são automáticas e deu. Esqueceram de colocar um comando manual. Fora isso o prédio é jóia.

sábado, 19 de julho de 2008

Livro da Vez:
Meu Nome Não é Johnny - Guilherme Fiuza

Tem alguns temas que parecem inesgotáveis. O tráfico de drogas e a "vida de bandido" entre tiroteios e prisões é um deles. Pelo menos pra mim. Se a coisa for baseada em fatos reais então, melhor ainda. Eu já li "Abusado" e "Estação Carandiru", dois excelentes livros que a esta altura dispensam apresentações. Já vi o "Cidade de Deus" e o "Tropa de Elite" entre muitos outros filmes do gênero. Ontem mesmo eu assisti "American Gangster", com Denzel Washington e Russel Crowe e direção do Ridley Scott. Muito bom filme.

Esse post é sobre mais um livro desse tipo. Desta vez a história de um cara que nasceu na burguesia do Rio de Janeiro, tinha tudo pra ser o que quisesse na vida. E acabou escolhendo ser traficante de cocaína. O livro trata da ascensão e queda de João Estrella, o tal traficante, cujo nome não é Johnny como noticiavam os jornais da época. É um livro menos violento e mais humano que "Abusado", por exemplo. Acho que mostra melhor o lado humano do protagonista. Não há o cenário insólito do morro a ser descrito. O cenário são apartamentos, ruas movimentadas, aeroportos, e outros ambientes que o leitor já conhece, sobrando espaço para o autor focar mais em Estrella, na sua personalidade, desejos e pensamentos.

Enfim, eu sou suspeito para falar, pois como deu pra notar eu gosto do gênero. Mas achei o livro muito bom, e recomendo. Quero muito ver o filme, com o Selton Mello que para mim é um dos melhores (se não for o melhor) atores do Brasil. O problema é que para ver filme brasileiro aqui, só pirateando. E piratear filme brasileiro é crime. Quem sabe eu vejo na próxima ida ao Brasil.

"Meu Nome Não É Johnny" no






Ou na Amazon

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Encrenca

A minha irmã me arrumou uma encrenca. Um "meme", que é espécie de "corrente" para quem tem blog com a desvantagem (vantagem?) que não há nenhuma perspectiva falsa de ganhar nada participando. Normalmente eu não participaria de algo assim, mas como foi minha irmã quem pediu eu resolvi participar. Seguem as regras:

1. Escrever uma lista com 8 coisas que sonhamos fazer antes de morrer;
2. Convidar 8 parceiros(as) de blogs amigos para responder também;
3. Comentar no blog de quem nos convidou;
4. Comentar no blog dos nossos(as) convidados(as), para que saibam da “intimação”;
5. Mencionar as regras.

Então aí vão oito coisas que eu adoraria fazer antes de morrer:

1. Ter um emprego que me permita ter uma casa própria, um carro e viajar uma vez por ano;
2. Quando estiver de saco cheio do emprego acima, ter grana pra abrir um bar onde tenha rock'n roll e cerveja de qualidade e viver disso;
3. Ver o Brasil deixar de ser um país "emergente" para ser um país "desenvolvido";
4. Ver o Inter ser campeão do mundo e/ou o Brasil ganhar uma copa ao vivo;
5. Muitos churrascos e muitas "cervejadas" com meus melhores amigos. Eu disse MUITAS;
6. Conhecer muitos lugares e culturas que ainda não conheço;
7. Ler muitos livros e escrever um ou dois;
8. Fazer o possível para que a minha filha me entenda e que eu possa ter a melhor relação possível com ela em breve.

As coisas acima não estão em nenhuma ordem relevante. Se rolassem essas coisas seria legal. Tem algumas outras coisas que quero fazer também mas que prefiro não publicar.

Passo a bronca para (em ordem alfabética): Bogoni, Fonseca, Freakie, Hugo (Colombiano), Hugo (Português), Rodrigo, Tita e . Deixo claro que não me ofendo caso não queiram participar. Como eu disse, eu mesmo normalmente não participaria :p.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Bem vinda Isabela!

Nasceu sexta-feira a noite, lá em Campinas, a Isabela. Filha do meu primo Rafael, que é quase um irmão pra mim. Consegui falar com ele pela Internet quando chegou da maternidade. Ele estava muito feliz, do mesmo jeito que eu fiquei quando minha filha nasceu. É realmente um momento muito especial. Gostaria de desejar tudo de bom e muita felicidade para o Rafael, a esposa Ligia e, claro, para a Isabela. Muito bonitinha ela!

quarta-feira, 9 de julho de 2008

3.0.

É, três décadas. É tempo pra caramba. Preciso agradecer aos scraps, emails, telefonemas, SMS's, sessões de MSN e afins que vieram e ainda virão, já que o dia na Europa está acabando mas no Brasil ainda estamos no início da tarde. É sempre bom ser lembrado. Só me resta encerrar o expediente e ir pra casa beber uma cerveja. Comemoração com os amigos e colegas "trentinos" está devidamente marcada para o sábado, que é mais dia de festejar do que quarta-feira. Conforme for eu comento aqui depois, ou não.

sábado, 5 de julho de 2008

The Dreamers (Os Sonhadores)

Ontem eu vi um filme muito interessante. "The Dreamers". Produção Ítalo-Franco-Inglesa do diretor italiano Bernardo Bertolucci. Fazia um bom tempo que eu não via um filme realmente bom. Que realmente "te diz" alguma coisa. No filme não tem nenhum tiroteio, nem grandes efeitos especiais, nem computação gráfica, nem nada. Mas tem diálogos bem interessantes, uma trilha sonora boa, romance, sexo na medida certa (nem de menos que seja falsamente moralista, nem demais que vire filme "de sacanagem"). Trata-se da história de um estudante de cinema americano na Paris de 1968 que conhece uma dupla irmão/irmã francesa de fanáticos por cinema como ele. Rola uma espécie de triângulo amoroso entre esses três, já que os irmãos são um pouco, digamos, próximos demais. Achei o filme bonito. Acho que é "fotografia" que se chama as cores, a iluminação, a "atmosfera" do filme. Não tenho certeza se o nome disso é "fotografia", mas achei-a muito bonita.

Tá, o filme não vai agradar todo mundo, já aviso. Tem quem vai achar o filme uma chatice total. E tem quem vai se escandalizar. Eu achei muito bom. Recomendo. Mas vai saber se o teu gosto é como o meu...

Para curtir mais ainda o filme:

- Saiba sobre cinema dos anos 30 (eu não sei nada...)
- Conheça um pouco sobre a música "Pinhead" dos Ramones
- Assista o filme bebendo vinho (como eu fiz) e, se possível, bem acompanhado (pra mim não foi possível...)

Trailerzito:

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Não Deu

Não deu para o Fluminense. Uma pena. Sabe-se lá quando o time terá outra chance como esta. Chegar em final de Libertadores não acontece todo o dia. Perder nos pênaltis é muito sofrimento. Pena mesmo. Estão de parabéns pela campanha, mas óbvio que o ideal seria o título. O que fica na história é o título. Ainda bem que não aconteceu algo assim com o Inter dois anos atrás.

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Carl Sagan É O Cara!

Futebol

Euro: Que grande final! Que grande time esse da Espanha! Foi um campeão com todos os méritos. O time inteiro, do Casillas ao Torres é muito bom. Grandes jogadores que levaram a Espanha, mais de quarenta anos depois, a conquistar seu segundo título europeu. Merecido, foi realmente o melhor time, sem dúvida. O meu medo ontem era que a Alemanha achasse um gol aleatório e se fechasse, bem ao estilo futebol alemão. Mas não. Fernando Torres acabou com o jogo. Que golaço. O cara da TV italiana viu mais falha do zagueiro que mérito do Torres, mas pra mim o atacante espanhol foi extremamente rápido e ainda teve muita categoria pra tocar daquele jeito por cima do Lehman. Um golaço.

GreNal: Pra variar não vi o jogo. Pelo que li a respeito, o Inter dominou o jogo, mas saiu só com o empate. Leio também que a arbitragem foi um desastre. Que deram um pênalti "estranho" pro Grêmio e ainda expulsaram o Renan. O empate é sempre o pior resultado para os dois. Bom para todos os outros times do campeonato e ruim para a dupla. Está difícil a situação do meu time. Temos que ganhar do Coritiba na próxima de qualquer jeito.

Libertadores: É possível. É bem possível que o Fluminense reverta o placar adverso de 4x2 para a LDU no primeiro jogo. Se vale o saldo qualificado basta um 2x0. Acho que o Flu está no páreo sim, e com grandes chances. Contará com o apoio da torcida e já mostrou ser um time com espírito "copeiro" em jogos anteriores. Mas não será fácil. Será um verdadeiro "jogo de Libertadores". Boa sorte aos cariocas!

terça-feira, 24 de junho de 2008

Heineken Jammin' Festival 2008

No fim de semana passado eu fui no Heineken Jammin' Festival. Um festival de rock que aconteceu aqui pertinho, em Veneza. Eu acampei lá para assistir os três dias de shows, de sexta a domingo. Chegando lá, ao abrir minha barraca para armá-la, surpresa: a barraca encontrava-se destruída. Recortada em vários pontos por uma tesoura. Quem me conhece sabe quem poderia ter feito isso, já que a barraca não saiu da minha casa desde meu último acampamento em Rimini no ano passado, quando ela foi guardada inteira. Mas isso não prejudicou em nada o fim de semana. Fez sol e calor, aliás um calor infernal, nos três dias. Então, minha barraca além de ter uma ventilação especial ainda era a barraca com o visual mais punk rock do camping!

Então vamos ao que interessa, o festival! O primeiro dia, pra mim que gosto de punk, era o que mais prometia. E não decepcionou em nada.

A tarde rolou Iggy Pop and the Stooges. Clássico. O cara já era punk antes de o punk existir. Os Ramones, antes de iniciar a carreira já eram fãs do cara, para se ter uma idéia. O cara deve ter uns 70 anos, mas ainda faz um baita show. Apesar de reclamar, ao estilo punk, do solaço que fazia durante o show entre uma música e outra: "Fuckin' sun man. What the fuck?! Shit!". Foi muito bom ouvir ao vivo clássicos como "Search and Destroy", "I Wanna Be Your Dog" e "No Fun".

Depois, para encerrar a noite, nada menos que Sex Pistols. A segunda melhor banda punk do mundo. Como os principais caras da primeira já morreram, Sex Pistols hoje é "as punk as it gets". Eu sou suspeito pra falar, pois eu gosto muito desse tipo de som, mas ouvir "Anarchy in the UK", "God Save the Queen", "Pretty Vacant", "E.M.I.", ... Putz. É o que se pode chamar de show muito "afudê" como dizem lá em Rio Grande. Mas muito afudê mesmo! Os caras também estão velhos que nem o Iggy, e o Sid Vicious já está morto há uns 30 anos, mas eu me diverti muito ouvindo Johnny Rotten e cia. E a galera que estava ali curtindo o show também era do punk, claro. Só poderia rolar uma grande roda punk. Todo mundo curtindo muito. Tirando um golpe no rim esquerdo um pouco mais forte, foi diversão total. Como dá pra ver no video ao final do post, os Pistols tocaram no palco secundário. Sem o telão, pois colocaram no palco grande, no mesmo dia e horário o Linkin Park. Confesso que não conheço a banda, que não vi nem um pedacinho do show deles e que, sinceramente, com Show do Sex Pistols rolando quem se importa com o Linkin Park...

O segundo dia não se comparou ao primeiro. Eu me diverti muito mais com as bandinhas italianas "iniciantes" (algumas muito boas por sinal, o que me dá esperança que o rock não vai morrer quando as bandas de rock "dinossauro" acabarem) que tocaram das 13 as 17 horas no palco secundário do que com a principal atração do dia, o tal de Vasco Rossi. Mas o Vasco Rossi é uma espécie de deus da música pop italiana. Tanto que o show dele foi disparado o que mais lotou. Era um mar de gente. O parque totalmente lotado. Acho que tinha quase cem mil pessoas. Uma coisa curiosa: a galera grita pelo cara assim: "Ole Ole Ole Ole, Vasco, Vasco". Para um brasileiro, não tinha como não se sentir no meio da torcida do Vasco. Os italianos dizem que Vasco Rossi é rock. Posso estar avacalhando e exagerando, mas pra mim o cara está mais para uma espécie de Fábio Jr do que para roqueiro. Como eu disse, muitas bandinhas do palco secundário me divertiram mais. Aliás nos três dias tocaram bandas excelentes ali. Via de regra melhores que as tocavam no mesmo horário no palco principal. Ou tem algo errado com meu gosto musical ou com o gosto musical das massas. Não sei.

No domingo, mais uma maratona de shows. Eu confesso que fiquei contente de as bandas punk terem tocado na sexta, porque no terceiro dia seguido com 10 horas de shows eu não sei se sobreviveria a mais uma roda punk naquele domingo. Pra iniciar os "shows grandes" do dia, Stereophonics. Eu não conhecia, mas gostei do som dos caras. Um rock clássico, ao contrário da coisa mais "moderna" (no mau sentido) que eu estava esperando. Curti bastante o show deles. Depois entrou Alanis Morissette. Não tem como não gostar das músicas do disco "Jagged Little Pill". Eu tinha este disco, e pra mim as músicas dali são clássicas, portanto curti bastante o show. Ou a Alanis está bem mais gordinha, ou eu que nunca tinha visto ela no verão. Além disso ela está loira. Eu não entendo por que diabos todas as mulheres querem ficar loiras. A Shakira, por exemplo, era provavelmente uma das morenas mais lindas do mundo, e agora é só mais uma loira na multidão de loiras de farmácia. Mas, enfim, tem tantas coisas que eu não entendo nas mulheres... O importante é que o show foi legal.

Depois do show da Alanis pararam com os shows para colocar no telão o jogo da Itália pela Eurocopa. Foi insólito aquela multidão de umas 25 mil pessoas que estavam ali para ver shows assistindo ao futebol. Mas como no Brasil, também para os Italianos a seleção é sagrada. Se bem que quando o jogo foi pra prorrogação já tinha gente gritando que queria show, e não futebol. Mas não se interrompe uma partida na hora da prorrogação. Sabe-se bem disso. E vimos o jogo até o fim. Muito embora assim que o jogador espanhol bateu o pênalti que decretou a eliminação da Itália o telão foi desligado. Não deu nem pra ver a comemoração do cara. Não tenho dúvidas sobre a nacionalidade do operador do telão.

Depois do futebol, entrou o The Police. Outro show espetacular. Não adianta, os coroas é que fazem som. É quase como se o Sting e os excelentes guitarrista e baterista da banda dissessem para os shows anteriores: "Muito bom gurizada, legal, mas agora empresta aqui esse palco que o tio vai mostrar como é que se faz..." Sensacional a qualidade do som e da produção. Os caras tocam muito. Um baita show mesmo. Encerrou com chave de ouro.

Eu achei algumas filmagens amadoras de alguns shows que eu comentei aqui. A qualidade do som é um lixo, já que os vídeos são amadores, mas dá para ter uma idéia do que foram os shows. Quero dizer que não assumo qualquer responsabilidade sobre a disponibilização destes vídeos na Internet. Não fui eu que coloquei nenhum deles no youTube. Mas já que eles estão lá, quero compartilhar um pouco do que eu assisti nesse fim de semana com os freqüentadores aqui do blog:

Iggy and Stooges com direito a reclamação contra o sol e tudo.
Sex Pistols
Vasco Rossi for the sake of curiosity.
The Police

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Innsbruck - Euro 2008 - Espanha 2x1 Suécia

Fui ali em Innsbruck, na Áustria (umas duas horas de carro daqui), dar uma conferida na atmosfera do Euro 2008. Não tínhamos ingresso, mas fomos só para "ver qual é". E foi muito legal. O jogo do dia era Suécia x Espanha. Metade da cidade estava fantasiada de amarelo e a outra metade de vermelho. Todo mundo cantando e tomando cerveja. Nenhum sinal de confusão. Não que eu entenda alguma palavra de sueco para saber se as músicas deles são ofensivas ou não, mas provavelmente os espanhóis também não entendem, então ficou tudo numa boa. Seguimos no meio da multidão o trajeto do centro da cidade para o estádio. Muito divertido. Em um determinado momento estávamos bem no meio, entre a massa vermelha e a massa amarela. O povo espanhol continua sendo, na minha opinião, o mais festeiro da Europa. E algumas torcedoras suecas são realmente bonitas como a TV sempre mostra. Mas na verdade tem muito mais homem do que mulher na torcida deles, como em qualquer outra torcida. É que a TV garimpa as "beldades" no estádio. Depois voltamos para o centro para ver o jogo em um dos inúmeros telões instalados por toda a cidade. Deu Espanha 2x1. Mas o clima de alegria e de festa continuou, pelo menos até umas 11 da noite, quando fomos embora. Realmente, o futebol é uma das melhores coisas do mundo, na opinião deste que vos escreve.

Sobre o Euro, bom, eu já falei aqui que em competições européias eu torço pra Portugal. Mesmo com os reservas tendo perdido ontem, ainda acredito no Cristiano Ronaldo e cia. Mas a Holanda e a Espanha estão jogando muita bola. Vamos ver no que vai dar. E os italianos aqui andam desanimados com o time. Continuam achando o goleiro Buffon o melhor do mundo (exagero, na minha opinião), mas não vejo ninguém defendendo muito o resto da "squadra azzurra".

sábado, 7 de junho de 2008

Mais Corrupção...

Mais corrupção aparecendo na lama da política brasileira. Dessa vez no governo do meu estado do Rio Grande do Sul. Mas eu nem quero falar desse escândalo específico, pois este está em todos os jornais e além disso, nesse mar de lama os detalhes de um escândalo a mais ou a menos é chover no molhado. Eu quero falar da corrupção em geral e perguntar quando é que isso vai acabar? Quando é que essa impunidade vai terminar?

Claro que concordo com os Fora Yeda e Fora Busatto que vão aparecer nesse último escândalo. MAS, o próprio Busatto disse na gravação que os outros governos também foram assim. Não vamos pensar que um fora Yeda e depois eleger o PT ou outro partido qualquer vai resolver a situação. Tem é que mudar a porcaria do sistema todo. Não adianta lutar contra a Yeda pra colocar o Olívio ou contra o Lula pra colocar o José Serra. Tem que lutar contra a corrupção institucionalizada em TODOS os partidos e em TODOS os âmbitos desse país.

A guerrinha ideológica é pequena e burra e se arrasta há anos. Tem que mudar é o sistema. Quando tiver um sistema político decente a gente pensa em ter ideologias. Mesmo porque, ideologicamente nem tem tanta diferença assim entre o PT e o PSDB. No esquema do Mensalão tinha provas pra mandar pra casa meio Congresso Nacional ou mais. Cassaram só o Jefferson pra mostrar aos outros que não denunciem; e o Dirceu porque não tinha como não cassar ele.

E aí fica a pergunta: Por que o tal de Estevão ainda é Senador?? Por que no escândalo do mensalão não cassaram quem deveria ser cassado?? Por falta de provas é que não foi. O problema é que os do PT querem "pegar" os do PSDB e inocentar os seus, e vice-versa. Aí negociam: "libera o meu que eu libero o teu". Isso tem que MUDAR. Não tens, cidadão, que ser benevolente com políticos do teu partido, seja ele qual for. Tem que botar TODOS esses corruptos na cadeia, ou no mínimo cassar os direitos políticos por um tempo significativo (uns 10 anos no mínimo). A lei tem que estar acima do partido. Só isso. Se continuar cada partido querendo encobrir o seu nada vai mudar.

Como é que CPI com deputados e senadores vai julgar os próprios deputados e senadores? É óbvio que vai dar conchavo e vão cassar um ou dois só. E mesmo os cassados se candidatam e se elegem na próxima eleição. É isso que tem que mudar. O cara que é pego em esquema de corrupção tem que ser expulso da política. Tem que ir pra casa, ou pra cadeia, sei lá. Não tem que voltar na próxima eleição. Sempre os mesmos ladrões. É muita cara de pau.

Nota: Esse é um post indignado baseado em comentários meus na comunidade "Rio Grande, a cidade" do Orkut. Achei interessante escrever aqui também.

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Flu na Final

Que beleza! Chora boquita!

E o Flu tem que continuar jogando sério. Esse foi o passo mais difícil, mas ainda não tem nada ganho.

Rumo a Tóquio.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Procrastination Flowchart

Clique na imagem para ampliar e conseguir ler.

Fonte: MyMillionDollarYear.com

Quem me mostrou foi meu amigo Mario.

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Fluminense

Vi ontem (é, a TV italiana só transmitiu ontem, em VT, mas eu fiz questão de ver sem saber o resultado) um baita jogo entre Fluminense e Boca Juniors. Eu torci bastante pelo time brasileiro, apesar de o treinador deles ser talvez o maior ídolo gremista de todos os tempos. Como eu não estou nem aí para o Grêmio e seus ídolos, eu sou Flu nessa libertadores. Acho que a esta altura todos os brasileiros deveriam apoiar o clube carioca que buscou um excelente empate em dois a dois com o Boca Juniors no jogo de ida da semi-final da "Champions League" sul americana.

Enumero alguns motivos que me levam a apoiar o Flu:

1. É o time mais "simpático" do Rio de Janeiro, na minha opinião;

2. O Flu é o Brasil na Libertadores (clichê a lá Galvão Bueno, mas tá valendo);

3. Nos últimos 12 confrontos com clubes brasileiros, o Boca Juniors nos eliminou TODAS as vezes. Está mais do que na hora de mudar isso;

4. O Boca já venceu 6 Libertadores, e o Fluminense nenhuma;

5. O narrador da TV italiana adora o Boca e é fã do Riquelme (ou "Juan Román Riquelme", como ele prefere falar toda a hora);

6. Eu diria que o futebol argentino é um pouco mais popular aqui do que o brasileiro, e isso é um absurdo (me refiro ao futebol de CLUBES brasileiros e argentinos, nossa seleção e os jogadores brasileiros que vêm jogar aqui são idolatrados);

7. Aqui de longe o Brasil parece um só, e nossas diferenças e rivalidades clubísticas e regionais me parecem cada vez menores;

8. É sempre bom ganhar da Argentina;

9. Minha amiga Mariana é torcedora do Flu e assistiu comigo a final do mundial Inter x Barcelona em 2006. Com a camisa Colorada e tudo;

10. O time do Fluminense está mostrando espírito de Libertadores em campo. Ter eliminado o São Paulo e ter buscado o empate duas vezes contra o Boca na Argentina são provas disso.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Copenhagen, ou Copenhague

Semana passada, meu pai esteve aqui pela Europa a trabalho, e teve um fim de semana livre em Copenhagen, caqpital da Dinamarca. Lá fui eu e minha irmã, ambos "perdidos" pela Europa encontrá-lo. É sempre bom rever os familiares, ainda mais estando aqui tão longe. Por pouco tempo que seja, um fim de semana já ameniza bastante a enorme saudade.

A terra da pequena sereia é um lugar bem legal. Gostei muito da arquitetura, bem diferente dos outros lugares. Aliás aqui na Europa cada lugar parece ter uma arquitetura diferente. São os prédios antigos os mais bonitos, na minha opinião. De um tempo em que as coisas não eram pré-fabricadas e os prédios não eram "quadradões".

Tinha muitas e muitas mulheres loiras, mas em geral um pouco "grandalhonas" demais pro meu gosto. As pessoas são simpáticas e educadas. Todos falam inglês, o que é um alívio para qualquer turista. E bebem. Mas bebem pra se destruir mesmo. No parque Tivoli, era comum encontrar grupos de dinamarqueses completamente "do outro lado". Teve um que passou mal, e aí fechou um esquema de segurança, com uns oito ou dez guardinhas do parque pra socorrer o cara e não deixar que outras pessoas chegassem perto. Se é no Brasil, deixam o cara atirado no chão e deu. Mas eu acho que aqueles funcionários já são especialistas em auxilio a bêbados, pois aquilo deve acontecer toda a hora. Domingo perto do meio-dia, tinha um maluco sem camisa, atirado de bruços no chão e uma dinamarquesa dessas grandalhonas sentada ao lado que o consolava e fazia carinho, mas ele não estava sentindo nada. Totalmente apagado.

Fizemos um passeio de barco. Só vi a pequena sereia do barco, de costas. Não deu tempo de ir lá vê-la de perto. Mas o pai e a Tati tinham ido e disseram que valia mais a pena passear pela cidade do que ir ver a escultura da sereia. Aí fizemos um passeio de barco muito legal por toda a cidade. Muitos prédios legais. A guia do nosso barco falava em dinamarquês, inglês e italiano. Dinamarquês não dá pra entender absolutamente nada, mas fiquei contente que tinha duas línguas que eu entendia. Aí se eu perdia alguma coisa na versão em inglês, eu recuperava no italiano. Ah, a guia também era loira, e não era grandalhona :-).

Copenhague também é uma cidade dessas que não dormem. Sempre, a qualquer hora do dia ou da noite têm pessoas na rua e alguma coisa acontecendo. Uma cidade realmente interessante. conhecemos bares e pubs onde tomamos as cervejas locais Carlsberg e Tuborg. Muito boas na minha opinião. Copenhague é também um lugar caro. Provavelmente por causa do bom padrão de vida de sua população. Uma cerveja (chope) de 500 ml sai por uns 7 Euros, enquanto na Itália paga-se de 3 a 5, dependendo do lugar. Curiosidade é que os bares que tem mesa ao ar livre oferecem estufas e cobertores aos seus freqüentadores. Mesmo no verão, a noite por lá faz um pouco de frio e é comum ver gente curtindo sua Tuborg enrolado em um cobertor oferecido pelos bares e pubs da cidade.

terça-feira, 27 de maio de 2008

Brancura

Bah, todo o ano, sempre que eu coloco uma bermuda e saio pela primeira vez no sol eu me apavoro com a minha própria "brancura". Fico achando que "não sou tão branco assim". O inverno Europeu deixa o cara desbotado de tão branco. Preciso de uma praia! Sol!

terça-feira, 20 de maio de 2008

Roma e Florença


Eu poderia começar de cara falando sobre as cidades de Roma e Florença, mas preciso primeiro dizer o que foi, para mim, a melhor coisa em absoluto dessa viagem: a amizade. É muito bom estar entre amigos. Especialmente amigos que te fazem sentir totalmente em casa. Amigos que te chamam de "tchê", que te acompanham na "cervejada". Que são divertidos. Amigos de longa data. Amigos com os quais não há restrições para nenhum tipo de conversa ou brincadeira. Tudo flui com muita naturalidade, desde o primeiro minuto em que os vi na recepção do camping, me esperando com sorrisos sinceros e vinho recém comprado. Enfim, grandes amigos. Castanheira e Sheila, vocês são 10!

Cheguei sexta-feira a noite em Roma. Ficamos em um camping que aluga barracas com camas de verdade dentro. Um excelente custo/benefício. É mais barato, na minha opinião é mais divertido e é quase tão confortável quanto hotel ou albergue, pelo menos nessa época do ano que não está fazendo nem muito frio, nem muito calor.

No sábado, em Roma, visitei lugares que já descrevi em um post anterior sobre Roma como os museus do Vaticano e a Fontana di Trevi. Segue uma foto minha na Fontana, que é um lugar que eu adoro. Pra dizer a verdade não têm nada de tão especial ali. É uma fonte, com esculturas belíssimas e com um monte de turistas (como eu) que são barulhentos, tiram fotos e "estragam" a paisagem. Justamente por não ter nada de tão extraordinário é que eu não sei bem porque gosto tanto dali. Pode ser por causa das esculturas, pode ser por causa da vivacidade romana que se nota ali (e em toda a cidade), pode ser porque eu só tenha estado ali com pessoas de que gosto muito. Pode ser porque ali perto vende o melhor sorvete que já comi. Pode ser pelo "barulhinho" da água caindo. Provavelmente é por causa de tudo isso.


E no domingo fomos a Florença. Um lugar muito legal. Cidade de arte, com arquitetura única e esculturas por toda a parte. Definitivamente preciso voltar lá, pois estando lá apenas um fim de tarde e uma noite, faltou ver muita coisa. O símbolo da cidade é a escultura "David" de Michelangelo, que está em um museu que não tive tempo de entrar, mas que tem reproduções pela cidade, como a da foto a seguir:


Realmente não deu tempo de visitar muita coisa em Florença, mas só uma caminhada pela cidade já deu pra ver como é bonito o Duomo, inclusive a vista que se tem de cima da torre. deu pra conhecer o famoso "ponte Vecchio" e pra ver como a cidade em geral é "bella". Qualquer dia eu volto lá com mais calma, e escrevo mais sobre a cidade. Encerro com uma foto de uma bela vista de Firenze.