quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Roma

O lado triste da viagem a Paris foi o clima de despedida, pois meus pais voltaram de lá para o Brasil. Aproveito para mandar um grande abraço aos dois lá na terrinha!

Já a minha irmã seguiu comigo para Roma, onde encontramos o meu primo Rafael e sua esposa Lígia, que também estavam dando "uma banda" pela Europa. Foi bom rever meu primo, se não estou enganado não via-o há uns 2 anos, já que na minha última ida ao Brasil ele estava em Campinas e eu só fui para o Rio Grande do Sul.

A cidade de Roma está longe da organização e limpeza de lugares como Paris e Londres. Por outro lado é uma cidade mais "viva". As pessoas parecem mais alegres e mais dispostas à comunicação. São latinos como "nosotros". Talvez o fato de eu falar e entender o idioma local melhor que entendo o francês e a modalidade de inglês das ruas de Londres contribua para eu achar a cidade mais humana que as outras duas.

No primeiro dia, fomos até o Coliseu. Impressionante construção secular. Muito legal estar diante daquele prédio ao vivo depois de tê-lo visto tantas vezes em livros de história, revistas e programas de TV de viagens ou jogando Civilization (na minha opinião o melhor jogo de computador já feito). Não chegamos a entrar no Coliseu por motivos de tempo para encarar uma bela fila. Mas por fora já dá para se ter uma idéia do monumento. Depois seguimos por uma caminhada ali perto. Vimos algumas outras ruínas do império Romano e monumentos. A cidade é um imenso sítio arqueológico. Parece que o metrô até hoje só tem duas linhas por que obras desse tipo são extremamente difíceis de serem feitas sem comprometer os resquícios históricos de lá.

Fomos também aos museus do Vaticano. A fila era bem maior que a do Coliseu, mas dessa vez encaramos. Valeu a pena. Os museus têm muitas obras interessantes. Pinturas muito legais. Algumas com efeitos de luz e sombra que dão uma sensação de "tridimensionalidade" impressionante. Eu não sou religioso, mas tenho que admitir que as principais obras de arte da humanidade estão relacionadas a mitologia, deuses e religiões. Imagino que na antiguidade religiões e mitos influenciavam totalmente as pessoas. Já no cinema, uma arte mais moderna essa influência é bem menor. O mesmo acontece na literatura contemporânea. De qualquer forma, as esculturas e pinturas são muito belas e carregam um valor cultural e histórico que por si só já valem muito a pena.

Ponto alto dos museus é a capela Sistina. Com o teto pintado pelo Michelangelo. Entre muitas e muitas pinturas do nosso Tartaruga Ninja que se pode ver ali, a pintura abaixo, que é a mais famosa do local, retrata a criação do homem por Deus.


Dá pra ficar um bom tempo olhando para o teto daquela capela. São dezenas, talvez centenas de pinturas. Muito legal mesmo. Cheguei a ficar com dor no pescoço de tanto olhar pra cima. Pena que é proibido tirar foto lá.

Ainda visitamos, claro, o Vaticano. Tem aquela praça onde vemos pela TV milhares de fiéis e turistas olharem o Papa dar um tchauzinho na janela. Mas quando eu fui o Papa estava em Castel Gandolfo. Uma espécie de casa de verão papal. Mesmo assim foi interessante conhecer o lugar. E depois conhecemos a basílica de São Pedro. O maior templo católico do mundo. Realmente grandioso o lugar. Impressionante. Tão impressionante que nos perdemos do meu primo por lá. Ficamos procurando por eles um bom tempo, até nos encontrarmos bem mais tarde, já do lado de fora da basílica.

Depois fomos até a fontana de Trevi. O que me chamou a atenção é que tem bancos e "murinhos" em volta da fonte que estavam lotados de espectadores sentados. Parecia uma pequena arquibancada, só que em vez de o povo assistir um show, peça de teatro ou evento esportivo está todo mundo olhando para uma fonte. Realmente interessante. A fonte em si também é bem legal. Com grandes e belas esculturas. Joguei uma moedinha de 5 centavos de Euro lá. Mais pela tradição e para tirar foto do que por acreditar que isso me trará algo de bom. Ah, foi também sentado na beira da fontana que comi o melhor sorvete de chocolate da minha vida. Realmente os italianos é que sabem fazer sorvete. Não tem nada de extraordinário nas massas e pizzas deles (não estou dizendo que as massas e pizzas são ruins. Pelo contrário, são excelentes, mas não extraordinárias), mas o sorvete é realmente sensacional. Não sei o nome da sorveteria, mas fica na rua a esquerda da fonte. É um letreiro azul com letras amarelas, se não me engano. Peça "un gelato al cioccolato fondente" e delicie-se.

Em resumo: "Roma è bella. Mi è piaciuta tantissimo."

As fotos de Roma.

4 comentários:

Anônimo disse...

A tradição de jogar uma moeda na Fontana de Trevi é para pedir para voltar na cidade algum dia. A maioria das pessoas pensam que é para fazer algum pedido, mas não.
Legal seu blog.

Brenda disse...

tampos não passava aqui, mas fiquei curiosa com teu pedido...na fonte..ihihih
e quem é esse anonimo?
agora tu já tem genro..ehehe
se a mãe lê lá vem outro stress....
bj

kaka disse...

porra essa minha filha é foda.

Leonardo disse...

O Anônimo tem razão. E eu acho que provavelmente volte lá algum dia, mas acho que se isso acontecer não vai ser por causa da moedinha ;-). E obrigado pelo elogio ao blog.

Oi Brenda, bom te ver aqui. Sobre "genro", tua mãe falou tudo... Beijão.