quarta-feira, 28 de maio de 2008

Copenhagen, ou Copenhague

Semana passada, meu pai esteve aqui pela Europa a trabalho, e teve um fim de semana livre em Copenhagen, caqpital da Dinamarca. Lá fui eu e minha irmã, ambos "perdidos" pela Europa encontrá-lo. É sempre bom rever os familiares, ainda mais estando aqui tão longe. Por pouco tempo que seja, um fim de semana já ameniza bastante a enorme saudade.

A terra da pequena sereia é um lugar bem legal. Gostei muito da arquitetura, bem diferente dos outros lugares. Aliás aqui na Europa cada lugar parece ter uma arquitetura diferente. São os prédios antigos os mais bonitos, na minha opinião. De um tempo em que as coisas não eram pré-fabricadas e os prédios não eram "quadradões".

Tinha muitas e muitas mulheres loiras, mas em geral um pouco "grandalhonas" demais pro meu gosto. As pessoas são simpáticas e educadas. Todos falam inglês, o que é um alívio para qualquer turista. E bebem. Mas bebem pra se destruir mesmo. No parque Tivoli, era comum encontrar grupos de dinamarqueses completamente "do outro lado". Teve um que passou mal, e aí fechou um esquema de segurança, com uns oito ou dez guardinhas do parque pra socorrer o cara e não deixar que outras pessoas chegassem perto. Se é no Brasil, deixam o cara atirado no chão e deu. Mas eu acho que aqueles funcionários já são especialistas em auxilio a bêbados, pois aquilo deve acontecer toda a hora. Domingo perto do meio-dia, tinha um maluco sem camisa, atirado de bruços no chão e uma dinamarquesa dessas grandalhonas sentada ao lado que o consolava e fazia carinho, mas ele não estava sentindo nada. Totalmente apagado.

Fizemos um passeio de barco. Só vi a pequena sereia do barco, de costas. Não deu tempo de ir lá vê-la de perto. Mas o pai e a Tati tinham ido e disseram que valia mais a pena passear pela cidade do que ir ver a escultura da sereia. Aí fizemos um passeio de barco muito legal por toda a cidade. Muitos prédios legais. A guia do nosso barco falava em dinamarquês, inglês e italiano. Dinamarquês não dá pra entender absolutamente nada, mas fiquei contente que tinha duas línguas que eu entendia. Aí se eu perdia alguma coisa na versão em inglês, eu recuperava no italiano. Ah, a guia também era loira, e não era grandalhona :-).

Copenhague também é uma cidade dessas que não dormem. Sempre, a qualquer hora do dia ou da noite têm pessoas na rua e alguma coisa acontecendo. Uma cidade realmente interessante. conhecemos bares e pubs onde tomamos as cervejas locais Carlsberg e Tuborg. Muito boas na minha opinião. Copenhague é também um lugar caro. Provavelmente por causa do bom padrão de vida de sua população. Uma cerveja (chope) de 500 ml sai por uns 7 Euros, enquanto na Itália paga-se de 3 a 5, dependendo do lugar. Curiosidade é que os bares que tem mesa ao ar livre oferecem estufas e cobertores aos seus freqüentadores. Mesmo no verão, a noite por lá faz um pouco de frio e é comum ver gente curtindo sua Tuborg enrolado em um cobertor oferecido pelos bares e pubs da cidade.

4 comentários:

Freak In The Sky disse...

Acho que estou tendo um dèja vu!

:)

Beijoquinhas!

Tatiane Fernandes disse...

Copenhagen é massa! :) Adorei a viagem!!
Beijos!!!

Juliana disse...

Eu também tenho duvidas quanto à escrita do pais. Mas uso a primeira versao, Copenhagen.

Nossa, nao imaginava que a cidade fosse como Milao, Paris... achei que fosse mais pacata. E quanto à populaçao, é verdade que so tem loirinhos mesmo? E as mulheres grandalhonas voce se refere à altura ou largura :D

Um dia ainda vou conhecer a Dinamarca e os paises Escandinavos.

Leonardo disse...

É que em inglês se escreve "Copenhagen", e em português "Copenhague". É mais ou menos como "London", "Londra" e "Londres". Ou "Milão", "Milan", "Milano". As duas grafias são "corretas".

Elas são grandalhonas em altura e largura mesmo ;-). Mas as que não são grandalhonas são bem bonitas. Todo mundo é loiro sim.

Tens que ir lá sim Ju. Vale a pena. Com a Ryanair, Easyjet e outras companhias de baixo custo vale muito a pena viajar por aí!