terça-feira, 1 de dezembro de 2009

O Tal de Arruda


Mais um escândalo de corrupção. Desta vez envolvendo o governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (DEM). O site da BBC me diz o seguinte sobre esse cidadão:


"A carreira política de Arruda começou efetivamente em 1994, quando foi eleito senador pelo PP e chegou a líder do governo Fernando Henrique na Casa.

Em 2001, já no PSDB, renunciou ao mandato depois de ser acusado de participar da violação do painel eletrônico da Casa, na votação da cassação do mandato do senador Luís Estevão (PMDB).

Depois de um discurso negando a violação – tendo jurado publicamente pelos filhos – Arruda acabou admitindo a culpa e renunciou ao cargo, evitando a instalação de um processo de cassação contra ele.

Em 2002, Arruda foi eleito deputado federal, dessa vez pelo PFL (atual DEM), com o maior número de votos no Distrito Federal."


Aí eu me pergunto: Como diabos alguém que sai de um escândalo, de uma fraude para salvar um corrupto consegue, já no ano seguinte ser eleito para o que quer que seja? Poxa, o eleitor brasileiro não aprende? Não vê/lê jornal? Não cansa de ser roubado? É tão difícil assim simplesmente deixar de votar em caras envolvidos em escândalos seja lá de que partido forem? Não percebem que o voto é provavelmente o único jeito de punir esses caras, já que eles mesmos nunca vão punir uns aos outros através de suas CPI's (Comissões Pizzaiolas de Inquérito)? Pouco importa em que partido vais votar, mas por favor, não me vota em caras já envolvidos com corrupção. Nem vota nulo/branco, pois a omissão é um voto a favor dos corruptos. Obtém um mínimo de informação sobre o teu candidato, e muda se for necessário. Vamos tentar limpar essa sujeira. Senão acaba que a culpa nem é dos Arrudas da vida. É de quem vota neles e de quem anula o próprio voto. Pior que não é só no Brasil. Aqui na Itália a política é uma piada também. Difícil entender os eleitores brasileiros e italianos...

3 comentários:

Marina disse...

Verdade. Mas, quando você olha em volta, não tem ninguém que nunca esteve envolvido em sujeira. Ou que não tenha sido envolvido de alguma maneira. O jeito é ir elegendo pessoas novas, trocando sempre, pra evitar deixar sempre as mesmas pessoas no poder.

Leonardo disse...

Hm, sempre tem sim gente que nunca se envolveu diretamente com nada desse tipo. Eu não quero citar nomes pra não parecer campanha política, mas eu poderia citar políticos, de diferentes partidos, que até onde se sabe estão limpos. Não dá é pra votar nesses caras que já sofreram CPI, processo de cassação e/ou renúncia, receberam ou pagaram (diretamente, comprovadamente) mensalão, ... Tem que procurar direitinho, mas tem umas maçãs boas no pacote. E essas têm que ser premiadas, e as outras postas fora. Uma simples busca no Google pode revelar o passado de qualquer candidato. Dá um pouco de trabalho, mas acho que vale a pena pra não eleger gato por lebre.

Mateus disse...

Pois é, e o problema é que o favorito para as eleições estaduais no DF é o Roriz, que é PIOR do que o Arruda. Aliás, o fulaninho que estourou o escândalo é ligado ao Roriz.
O Arruda, bem ou mal, estava fazendo alguma coisa no DF e era - que coisa!! - um dos exemplos de boa administração dos Democratas (lixo) mas que tiveram, ao menos, a dignidade de desfiliá-lo, sendo outros partidos “éticos” protegem os filiados acusados de corrupção.
Ou seja, no DF vão fugir de uma arapuca pra cair em outra pior :(((

Olha o Cristovam Buarque: “Propõe que os partidos de esquerda, o PT inclusive, escolham ao menos trinta grandes nomes como candidatos. Cidadãos prestigiados respeitados, produtivos, que seriam convidados a disputar o cargo de deputado distrital. "Se houvesse uma apoio pluripartidário, de 30, ao menos 15 seriam eleitos e teríamos uma nova Câmara", diz o senador. Nesse caso, o próprio Cristovam admitiria ser candidato. Em nome da qualificação do Legislativo e da administração pública.”
http://www.senado.gov.br/sf/noticia/senamidia/principaisJornais/notSenamidia.asp?ud=20091228&datNoticia=20091228&codNoticia=362996&nomeParlamentar=Cristovam+Buarque&nomeJornal=Jornal+de+Bras%EDlia&codParlamentar=3398&tipPagina=1