quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Αθήνα

Mais uma viagem pra contar. Esse blog vai acabar mudando de nome para "Pé na Estrada" ou algo assim. No fim de semana passado eu e a Tati fomos a Atenas, na Grécia. Um lugar muito legal.

A primeira coisa estranha (e pra mim divertida) que se nota é que os caras usam um alfabeto bem diferente do nosso. Aí tu chegas no aeroporto e tens que descobrir que queres pegar um trem para Αθήνα (Atenas). Quem sabe um pouco de matemática leva vantagem, pois muitas das letras são comumente usadas em equações. Todo mundo conhece o π (pi), e quando tem um π na palavra basta pronunciar como se fosse um "p". Uma letrinha que confunde é o ρ, que parece um "p", mas é "ro", e se pronuncia como "r". Lá pelas tantas, lendo e ouvindo a "próxima estação" no trem é que eu me dei conta disso. Abaixo o alfabeto completo pra quem quiser conferir. Os engenheiros vão reconhecer muitas letras e relembrar as aulas de cálculo, física, ALGA, robótica...bons tempos.


Chegamos na sexta a noite e só deu tempo de bater um rango e ir dormir. No outro dia a Acrópole nos esperava. Falando em rango, comemos muito bem na Grécia. Vale a pena provar uma moussaka (μουσακάς). Também recomendo a Mythos e a Alfa (Aλφα), cervejas locais.

No sábado fomos para a Acrópole, o cartão postal da cidade. Um lugar realmente fascinante, com templos e construções (ou ruínas de templos e construções) de mais de dois mil anos atrás. O principal monumento ali é o Parthenon, dedicado à deusa Atena. Muito legais também os teatros como o teatro de Dionísio. Teatros a céu aberto onde há mais de dois mil anos já existiam peças teatrais. Eu sentei ali e fiquei imaginando o Sócrates ou o Platão discursando naquele palco. Tá, eu viajo. Eu sei. No teatro de Dionísio, o visitante pode se sentar na arquibancada, ou o que sobrou dela, mas não pode entrar no palco e nem sentar em umas cadeiras que ficam mais a frente, onde provavelmente sentavam-se os VIP's da época. O curioso é que um cachorro dormia tranquilamente no meio do palco onde nós, humanos, não podemos pisar. Aliás Atenas é a cidade da Europa onde mais vi cachorros na rua. Talvez seja a única que não implantou algum sistema de carrocinha. Fotos da Acrópole, do teatro de Dionísio e do cachorro filósofo no Picasa.

Depois da Acrópole, fomos a um lugar chamado antiga "Agora". Ali mais ruínas de prédios antigos, mas provavelmente menos antigos que os da Acrópole. Tinha até uma igreja cristã, que obviamente não pode ser de antes de Cristo ;-).

Estávamos em um museu na tal de antiga Agora, admirando algumas peças de 1300 AC quando eu ouço uma voz surgida do nada: "Tati?". Tratava-se do Alex, um amigo da Tati dos tempos da Universidade que, por acaso, encontramos em Atenas. Uma frase dele resumiu muito bem esse encontro: "O mundo é uma ervilha." Muito gente boa o Alex, e também a namorada dele Eve, que é grega e nos contou um pouco sobre a vida na Grécia. Aprendemos por exemplo que a principal religião na Grécia atual é a igreja ortodoxa. Que os gregos adoram aliviar o stress usando Kombolóis e que todos jogam gamão extremamente bem e com uma rapidez quase sobrehumana. Acabamos saindo no dia seguinte com o casal e mais os amigos Vangelis e Panaiotes para beber Ouzo. Uma bebida destilada de aniz, outra coisa que quem vai a Grécia tem que experimentar. Foi muito bom, e muita sorte poder, estando na Grécia, interagir com gregos que não sejam garçons, taxistas ou outros profissionais do turismo.

Demos uma passada também pelo estádio olímpico onde o Vanderlei Cordeiro de Lima chegou em terceiro na maratona das olimpíadas de 2004, depois de ter sido agarrado pelo padre irlandês maluco. Mais um belo lugar. Arquibancadas branquinhas. Aliás é impressionante como Atenas é branca. Chegando de avião a gente já percebeu que a cidade é mais branca que as outras cidades. Talvez para manter a tradição das construções antigas que eram em mármore ou em pedras predominantemente brancas, mesmo os prédios modernos são, em sua maioria, predominantemente brancos. Proporcionando uma bela vista da cidade, seja do avião ou da acrópole, que fica em uma colina, mais alta que o restante da cidade. Aliás, "acrópole" quer dizer "cidade elevada".

No domingo fomos até o templo de Zeus Olimpico e depois para o templo de Poseidon, o deus dos mares. Muito bonito o templo e com uma bela vista do mar Egeu. A Tati chegou a dizer que o lugar é o paraíso. Muito bonito mesmo. Interessante que o Poseidon é o mesmo cara que o Netuno, só que Netuno é o nome dado pelos romanos, que não poderiam aceitar que seus deuses tivessem o mesmo nome dos gregos, mas que talvez não tivessem a mesma criatividade para inventar deuses novos. Ares, deus grego da guerra virou Marte para os romanos, Afrodite virou Venus e por aí vai...até comprei um livro de mitologia pra entender qual é a desses deuses e deusas.

Depois fomos até uma prainha ali perto curtir o tal mar Egeu. E para encerrar tomamos banho em águas termais na região. Foi um belo domingo.

Segunda-feira pela manhã demos uma passeada no bairro de Plaka, onde compramos Kombolóis. Pena que o fim de semana passou tão rápido. Ficou um gostinho de quero mais Atenas. Muito legal. Não deixem de ver as fotos.

4 comentários:

Paulo Ziemer disse...

Ai Leonardo. Aqui é o Paulo Ziemer, estudei contigo na furg na EComp. Tudo beleza cara? Tava dando uma olhada no teu blog. Muito Legal. Tudo de bom para ti e familia. Abraço!

Leonardo disse...

Grande Paulo Ziemer! Como é que está essa força tche? Por onde andas? O que tens feito? Acho que desde os bons tempos da Furg que não te vejo. Muito bom receber tua visita aqui no Blog. Manda notícias! Tudo de bom pra ti também!

Abração!

Paulo Ziemer disse...

Cara, trabalho atualmente no LNCC em Petrópolis -RJ (http://hemolab.lncc.br). Tô desde 2003 aqui no estado do Rio de Janeiro. Fiz mestrado no IME na área de Redes (QoS). E tu trabalha atualmente onde? Valeu e Abraco.

Ps-> Gostei de ver no blog em que disseste que não "secas" mais o Grêmio! Sábia decisão :-)

Leonardo disse...

Opa, eu estou fazendo Doutorado na Universidade de Trento (Itália). Fiz o Mestrado na Unicamp em análise de desempenho de sistemas paralelos e agora trabalho na área de redes de sensores. Apesar do meu Doutorado ser pela Universidade de Trento, trabalho diariamente no IRST (http://www.itc.it/irst/).

Hoje não é um bom dia para me falares no Grêmio ;-).

Abraço!